quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Racismo e Carnaval! Imagens da discriminação racial no Brasil



1- Carnaval do Apartheid


Pesquisa divulgada recentemente no A Tarde constatou que 76% da população de Salvador não pula carnaval, e mesmo os 24% que pulam ficam espremidos entre tapumes e cordas de blocos. De um lado, viram-se aqueles que têm recursos curtindo a folia dentro dos camarotes; nos grandes blocos de trios fechados ao público, e do outro, o “povão” nas ruas disputando qualquer espaço, atrás dos trios elétricos, na base dos empurrões, da porrada e levando cacetadas da polícia a torto e a direito.
Por: Hernani Francisco da Silva


2 - Ilha de brancos cercada por uma corda de negros 


Por todo o período de Carnaval, negro é o tom da corda, dos ambulantes que circulam aos milhares. É a cor do povo “Fora dos Blocos”, olhando das calçadas, pulsando ao som de altíssimos equipamentos que amplificam à exaustão as vozes dos “mitos” da passarela e aplaudindo os desfilantes dos Blocos, talvez, na sua expressiva maioria, descendências dos colonizadores de terras no passado, e agora, dos espaços antes livres para brincar e da alegria que vibra a cada passagem dos “latifundiários da folia”.


3 - Lutas de gladiadores” promovidas pelos foliões "descamisados"


Alguns camarotes, por sua vez, são uma excrescência à parte. Com suas luxúrias eletrizantes, promovem festa VIP para uma clientela elitizada, em que a participação individual nesses eventos pode custar até R$ 1.000,00 a diária; além de servir como vitrine para promoção pessoal e verdadeiras "masturbações sociológicas". Também servem como palcos privilegiados para assistir às cenas de "lutas de gladiadores” promovidas pelos foliões "descamisados" que, ao som dos trios elétricos, disputam aos tapas e empurrões o mínimo de direito para participar da festa. 


4 - A cor do povo “Fora dos Blocos”



Carnaval de Salvador: “apartheid” e seletividade em uma ilha de brancos cercada  por uma corda de negros e negras. No Carnaval, único tempo em que a minoria branca e rica predomina sobre uma cidade histórica e matematicamente negra. Os camarotes se tornaram onipresentes no Carnaval de Salvador e representam hoje o que o próprio Brown chamou o ano passado de apartheid da festa, juntamente com as cordas que separam o povo e os blocos dos grandes artistas da festa. 


5 - Por todo o período de Carnaval, negro é o tom da corda


"Nesse contexto, chama atenção a quem se dispõe a fazer uma leitura crítica do Carnaval de Salvador, o fato de que em nenhum outro momento a luta de classes se revela com tamanho vigor em nossa cidade". Marília Lomanto Veloso - Promotora de Justiça da Bahia.


6 - Fica o Recado: Abaixe a corda NEGÃO  liberte-se da escravidão


O Presidente de uma das mais tradicionais bandas da Bahia, João Jorge Rodrigues faz uma série de críticas sobre o carnaval. “É um Carnaval discriminatório, segregado, com mecanismos que reproduzem o capitalismo brasileiro: a grande exclusão da maioria em beneficio de uma minoria”, disse o líder do Olodum.

Fonte: http://arquivo.geledes.org.br/racismo-preconceito/racismo-no-brasil/23694-6-imagens-do-carnaval-do-apartheid

Nenhum comentário:

“Acordei com um sonho e com o compromisso de torná-lo realidade"
Leonardo Koury Martins

"Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar"
Saramago

"Teoria sem prática é blablabla, prática sem teoria é ativismo"
Paulo Freire

"Enquanto os homens não conseguirem lavar sozinhos suas privadas, não poderemos dizer que vivemos em um mundo de iguais"
M.Gandhi

"Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres"
Rosa Luxemburgo